Ouvir notícia
Listen to
this article
Text to speech by Listencat
Text to speech
by Listencat

Descontentamento com a ADAM leva protestos para a porta das autarquias

Partilhar
Share On Facebook

Aumenta o descontentamento com a empresa Aguas do Minho (ADAM) em cada um dos concelhos cuja gestão da água foi entregue à empresa.

Os constantes erros de facturação e a prática de preços elevados por parte da ADAM têm posto as populações em pleno alvoroço, que têm demonstrado a sua insatisfação com a prática levada a cabo por aquela empresa.

Desde casas devolutas que recebem facturas astronómicas de consumo de água, até ao exemplo de um restaurante que acabou por receber factura de valor irrisório. Desde facturas com consumos ZERO a facturas com valores exorbitantes, tudo parece estar mal na gestão das águas e da empresa que tem a seu cargo essa gestão.

Aproveitando o Dia do Consumidor, um movimento espontâneo criado à volta das redes sociais decidiu assinalar o seu descontentamento no dia de hoje, manifestando-se em frente a cada uma das câmaras que aderiram à ADAM.

Nas redes sociais podia-se ler que convite ao protesto não derivava “de ações partidárias”, e que todos eram bem-vindos.

Viana do Castelo, Caminha, Ponte de Lima e Arcos de Valdevez foram alguns desses concelhos onde as populações decidiram manifestar-se junto às respectivas Câmaras Municipais, tendo unicamente escapado às manifestações de protesto o Município de Paredes de Coura.

O descontentamento tornado público mais uma vez, reflecte o desagrado dos consumidores ao longo dos últimos meses com o registo de inúmeros os atropelos praticados pela empresa, nomeadamente com o envio de facturação com consumos elevados, que os consumidores têm vindo a tornar público e a reclamar junto da empresa.

Os consumidores acusam também a empresa de não enviar as facturas em tempo útil, tendo mesmo a empresa tentado cobrar facturas que já se encontravam prescritas.

O presidente da Câmara Municipal de Viana do Castelo, José Maria Costa, em reacção a esta manifestações disse acreditar que a maior parte dos problemas registados estão resolvidos.

Segundo o autarca “a situação está mudar”, nomeadamente com o reforço de pessoal da empresa, reforço no atendimento. O autarca acredita ainda que, “dentro de alguns meses, teremos um sistema mais eficiente, mais capaz e, acima de tudo, um sistema que seja capaz e responda às necessidades das pessoas”.

Enquanto isso, o administrador da empresa Aguas do Alto Minho, Carlos Manuel Martins, aponta o caminho da mudança, afirmando que, desde o início do ano, a empresa investiu fortemente em comunicações” e tem “um atendimento telefónico irrepreensível.

Para o administrador a taxa de atendimento é elevadíssima e isso reflete “uma percentagem que nos orgulha”.

Nas palavras de Carlos Manuel Martins, o nível de resposta por parte daqueles serviços às situações pendentes “ bastante célere”.

Quanto aos preços praticados, o administrador diz que as tarifas praticadas estão dentro da média dos 308 concelhos a nível nacional.

O descontentamento hoje manifestado deverá ter continuidade, tendo surgido mesmo o apelo dos protestantes para que seja feito um abaixo assinado popular para fazer uma acção no Tribunal Arbitral contra a empresa ADAM. Entretanto nas redes sociais está ja a ser anunciada uma nova manifestação para o dia 25 de Abril.