Ouvir notícia
Listen to
this article
Text to speech by Listencat
Text to speech
by Listencat

Gil Eannes reclama isenção de IMI em tribunal

Partilhar
Share On Facebook

Enquadramento do navio Gil Eannes como prédio sujeito a IMI motiva processo judicial.

Em causa está a notificação da avaliação do Navio Gil Eannes referente ao seu enquadramento como sujeito passivo de Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI).
O conselho de administração da fundação que gere o navio discorda desta tipificação “uma vez que o bem móvel objeto de avaliação é um  navio, o qual  está fundeado na doca comercial, tem feito deslocações para o estaleiro e vice-versa, flutua e navega, o que lhe parece poder suscitar algumas dúvidas, até pelo conceito de implantação, para ser considerado um prédio, assente e com fundações de implantação”.

Perante esta situação, presidente da Câmara Municipal e do Conselho de Administração da Fundação Gil Eannes, José Maria Costa, anunciou que vai avançar com uma reclamação junto do tribunal para contestar a avaliação do navio museu ancorado na ribeira vianense.

O navio tem certificado de navegabilidade, tem uma missão cultural, sendo um dos espaços mais visitados do país, enquanto memória viva da pesca do bacalhau e de elevado interesse cultural e histórico.

Segundo aquela fundação esta será “uma situação única no país”, pelo que o Código do IMI não pode ser aplicado pelas “suas especificidades de ser uma embarcação e o cálculo da sua dimensão se reger pelas normas da arqueação”.

A Fundação Gil Eannes, sendo uma entidade sem fins lucrativos e que representa um ativo cultural e museológico muito importante para Viana do Castelo e para o país é, espera que o navio museu Gil Eannes não seja enquadrado como sujeito passivo de IMI, não devendo ser considerado um prédio, mesmo na tipologia de “outros”.