Divertimentos esperam poder “assentar arraiais” na romaria das romarias

Partilhar
Share On Facebook

Os profissionais dos divertimentos de feiras e festas estavam hoje reunidos junto à Vianafestas na expectativa de que pudessem ” assentar arraiais” na Romaria da Senhora da Agonia.
A evolução da pandemia poderá fazer depender a forma como se festejará a Romaria da Senhora da Agonia. De qualquer maneira a Vianafestas já definiu a data e apresentou o cartaz.

A grande festa vianense realizar-se-à de 19 a 22 de Agosto e, segundo a Vianafestas, irá contemplar momentos ao vivo e momentos on-line, através dos meios digitais.

A organização procurava no dia de hoje garantir a presença dos habituais divertimentos, tendo os profissionais do sector marcado presença junto à sede da Vianafestas. A expectativa daqueles profissionais era grande, pois esse é um dos sectores muito afectado pela pandemia.

De recordar que recentemente José Maria Costa delegou em Melânia Gomes a presidência da comissão de honra da Romaria de Nossa Senhora da Agonia deste ano.

Minhota de coração, Melânia Gomes cresceu em Viana do Castelo, de onde partiu aos 18 anos para realizar o seu sonho de atriz. Hoje é uma atriz bem conhecida do grande público pelo seu trabalho na televisão, teatro e cinema.

Interiorizando aquele que é hoje o lema de Viana de Castelo, “quem gosta vem, quem ama fica”, Melânia soube manter os laços com a Princesa do Lima, guardando no seu coração todas as suas tradições e toda a sua “chieira”.

O seu percurso de atriz já a trouxe de volta ao Minho várias vezes, tanto em novelas como em espetáculos de teatro.

Quanto à festa, ela confunde-se com a história da Igreja d’Agonia, construida em 1674 em honra da padroeira dos pescadores. Na altura, foi edificada uma capela em invocação ao Bom Jesus do Santo Sepulcro do Calvário e, um pouco acima, uma capelinha devota a Nossa Senhora da Conceição.

Hoje, o nome da santa está associado à rainha das romarias e às múltiplas tradições da maior festa popular de Portugal, nascida em 1772 da devoção dos homens do mar vindos da Galiza e de todo o litoral português para as celebrações religiosas e pagãs, que ainda hoje são repetidas anualmente na semana do dia 20 de agosto, feriado municipal.