Sábado, Junho 25, 2022

Ano 113 - Nº 5275

publicidade
publicidadepublicidade
InícioOPINIÃOMunicípio limiano demonstra gritante falta de respeito pela história e património

Município limiano demonstra gritante falta de respeito pela história e património

Avelino Castro

DIRETOR

O Município de Ponte de Lima tem vindo a assumir a reorganização do areal na frente ribeirinha da vila. Criou uma ecovia junto ao leito do rio, tem vindo a introduzir material inerte e terraplanar todo o areal para ali permitir o estacionamento automóvel.

Dessa organização espacial, a autarquia limiana decidiu circunscrever a movimentação automóvel naquele espaço junto ao rio Lima, colocando várias pedras, que, depois de alinhadas, funcionam como barreira limitativa para os automóveis.

Acontece que há pedras e pedras. Há pedras sem história e outras carregadas de história.

Sabemos que uma pedra é uma pedra. Porém, quando lhe é aplicada algumas transformações, ela deixa de ser uma pedra qualquer e passa a contar história.

E tanto pode ser pelo desgaste porventura provocado pela água de um qualquer curso de água, como pela acção do homem que, ao devastá-la, a transforma em arte.
Se a tudo isto juntarmos o facto de esse trabalho artístico ter sido realizado há centenas anos, o valor dessa pedra, e da história que ela representa, é altamente elevado e merece todo o nosso respeito e valorização, nomeadamente promovendo a sua preservação.

Ora o que podemos constatar é que, junto à Avenida dos Plátanos, entre muitas pedras ali existentes sem história, foi também ali colocada uma pedra trabalhada e que, pelo seu desenho, deverá pertencer às ameias da ponte medieval.

A confirmar-se esta evidência, tal demonstra uma falta de respeito gritante pela história e património limiano por parte da Câmara Municipal de Ponte de Lima, entidade responsável por tal “arranjo urbanístico”.

E não se fica por aqui. Há outras pedras, talvez de menor valor, mas valiosas demais para balizarem o estacionamento automóvel.

No mesmo local pode-se ver uma pedra de grandes dimensões com uma argola que terá servido para amarrar muitos barcos nas margens do Lima.

Este não é caso único de desleixo. Já há cerca de dois anos actos de vandalismo perpetrados durante a noite resultaram na queda de uma ameia junto à Torre da Cadeia Velha. Volvidos estes anos a situação ainda não foi resolvida, não tendo sido reposta a ameia no local.

Ponte de Lima, vila que se orgulha da sua história, parece andar um pouco alheada de alguns pormenores dignos de reparo.

Artigos Relacionados
PUB

Mais Popular

Comentários Recentes